segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Roberto Rocha e a disputa pela Prefeitura de São Luís


Por Hugo Freitas

Menos de 48 horas depois de anunciar que irá disputar a Prefeitura de São Luís, durante o encontro regional do PSB maranhense, realizado neste fim de semana na capital, o senador Roberto Rocha partiu para o "ataque" contra o prefeito Edivaldo Holanda Júnior, recém-integrado às fileiras do PDT local.

Em sua página no Facebook, o senador socialista teceu duras críticas à gestão do prefeito Edivaldo. “São Luis não é apenas a maior cidade do Maranhão. Ao longo dos anos ela vem sendo administrada como uma cidade pequena, com a mesma lógica com que são governados os menores municípios. Isso tem que mudar”, asseverou.

Roberto deve se constituir numa verdadeira "rocha" no sapato de Edivaldo. Senão vejamos:

A decisão final de quem deverá sair (ou não) candidato nas eleições do ano que vem é do Diretório Municipal do PSB de São Luís, presidido por Roberto Rocha. A nível estadual, o comando da legenda está nas mãos de Luciano Leitoa, prefeito de Timon.

Além disso, Roberto goza do status de senador da República (2015-2022), mandato pelo qual ele deverá garantir o aval da Executiva Nacional da legenda para o seu projeto municipal de 2016.

Afinal, é pouco provável que o comando nacional do PSB deixe de apoiar a candidatura de um senador, presidente do partido na capital maranhense, para saciar o desejo, por exemplo, de Bira do Pindaré, suposto postulante à sucessão em São Luís.

Bira é secretário de Ciência e Tecnologia do governador Flávio Dino (PCdoB), padrinho político e principal "cabo eleitoral" de Edivaldo. Portanto, uma eventual candidatura de Pindaré seria menos para disputar, de fato, o comando de La Ravardière do que para evitar a debandada dos socialistas da base aliada do prefeito neopedetista, o que enfraqueceria suas pretensões de reeleição.

Vale frisar que, a nível nacional, o PSB faz oposição ao governo petista de Dilma Rousseff, caminho este que deverá ser percorrido pela legenda para lançar nova candidatura à Presidência da República, em 2018. Para tanto, deverá (re)construir suas bases eleitorais em todo o país, principalmente nas capitais. E, nesse sentido, o senador da República levaria nova vantagem em relação ao secretário do governo comunista do Maranhão, aliado de última hora da presidente Dilma.

Siga nosso perfil no Twitter e curta nossa página no Facebook

6 comentários:

  1. Roberto Rocha é um traíra, arrogante, aproveitador, quer preparar a cama para aquela outra sanguessuga que seu filho...Deus livre dessa cidade ser administrada por essa corja!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será que o filho de Rocha entra nessa disputa?

      Excluir
  2. Tadinho do Rocha, onde ele acha que vai chegar??? Cuspindo no prato que ajudou a fazer e comer...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sendo filho de ex-governador, penso que o objetivo político de Rocha é, um dia, comandar também o Palácio dos Leões.

      Excluir
  3. SE EU FOSSE ROBERTO ROCHA DESISTIRIA LOGO DISSO. PARA QUE TÁ FEIO, AMIGO. APAGA QUE DÁ TEMPO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O projeto de Rocha rumo ao Palácio dos Leões, em 2018, passa pelo Palácio de La Ravardière, em 2016.

      Excluir

Grato pela participação.